A consistência em treinar as técnicas é a chave do sucesso do Hypnobirthing . E porque é o treino tão importante ?

Costumo dizer que o Hypnobirthing funciona com todas as mulheres mas não é para todas as mulheres, porque requer um compromisso de aprendizagem e prática quase diária no final da gravidez.
Vamos perceber a razão: implificando ao máximo, imagine um iceberg, sendo que a mente consciente é o topo e o subconsciente e inconsciente é a imensa parte de baixo do iceberg.

A maior parte das técnicas de Hypnobirthing foram desenhadas para trabalhar com a parte de baixo do iceberg, diretamente com o seu subconsciente e inconsciente.

É nesta parte de baixo que estão guardadas todas as suas crenças, memórias e vivências. Todas as imagens e filmes que viu, as conversas e relatos que ouviu, as crenças que lhe incutiram desde pequena e que formou sobre o parto.

Ao longo da gravidez estas crenças e receios vão sendo libertados e trabalhados, dando-lhes novos significados. Por isso, é tão importante a prática regular e uma das razões pelas quais este método é tão eficaz.

O treino também permite o “automatismo”. Recorde-se do estado em que fica quando vai a conduzir, e se distrai a pensar na vida: vai de um ponto a outro e não se recorda do caminho que seguiu porque estava “em automático”. A prática desenvolve os automatismos necessários para deixar o seu corpo trabalhar, automaticamente, sabendo, instintivamente, o que fazer.

Assim, quando não tem tempo ou vontade de fazer a meditação, pratique a respiração, leia um relato de parto positivo, faça umas afirmações e visualizações mentais. O importante é incorporar estas pequenas técnicas regularmente para alicerçar os automatismos.

Não veja como uma obrigação nem uma carga diária, pelo contrário, estes exercícios são relaxantes e vão ajudar a que se sinta mais positiva e relaxada e encare o parto com positividade e confiança.

E lembre-se sempre que o seu corpo é maravilhoso e está desenhado na perfeição para produzir o milagre da vida, admire-o e confie em si e na sua capacidade em dar à luz.