Artigo publicado na revista Crescer- Especial Gravidez de dezembro de 2019

Desde que Megan Markle disse que fazia Hypnobirthing, seguindo os passos da cunhada e de tantas outras figuras públicas, o método tem vindo a ganhar mais visibilidade, mas há ainda muitas dúvidas sobre esta filosofia que permite um nascimento mais rápido, fácil e harmonioso. 

O Hypnobirthing, ou Hipnoparto, é um método de preparação para o nascimento assente nas mais recentes evidências científicas que ajuda a dar à luz de forma fácil, confortável e harmoniosa. Estar calma, tranquila e ter profundo conhecimento do seu corpo é essencial para deixar fluir todo o processo de nascimento pois a Ocitocina, a hormona responsável pelo parto, produz-se com níveis muito baixos stress. Assim, conhecer o seu corpo, saber relaxar e libertar todos os medos e tensões ajuda a reduzir o desconforto do período de nascimento. O Hypnobirthing trabalha as emoções e a mente da mãe, substituindo os seus medos por segurança e confiança na sua capacidade de dar à luz deixando assim o seu corpo trabalhar em completa harmonia com o bebé. 

Está demonstrado que a mãe que fez Hypnobirthing frequentemente sente menos dor, tem menos necessidade de intervenção médica, tem menor tempo de trabalho e menos necessidade de ajuda instrumental e farmacológica no nascimento.
O pai ou companheiro de nascimento também tem uma preparação para estar confiante e saber exatamente o que fazer durante toda a gravidez e no parto da sua companheira sendo inclusive um dos principais fatores de sucesso do método. Com a ajuda do Hypnobirthing, mãe, bebé e pai e trabalham em conjunto para que o nascimento seja uma experiência positiva, harmoniosa e inesquecível.

Crenças enraizadas de Parto com dor

Comecemos pelo princípio: quando se pensa na palavra “parto”, qual a primeira imagem que vem à mente?

Na maioria das vezes, é a imagem de uma mulher, no hospital, a gritar de dor junto de um companheiro à beira de um ataque de nervos. Este é o cenário que tem sido construído pela sociedade moderna ao longo dos anos. É desta forma que os partos são retratados e é a imagem que permanece na mente de muitas pessoas. 

Tudo começa quando, desde pequenina, a mulher ouve falar das dores de parto, das horas de sofrimento e da dificuldade que é dar à luz. Todas estas crenças vão ficando enraizadas na sua mente, sendo reforçadas pelos filmes e relatos de vivências de mulheres que conhece. 

Quando engravida, parece que a situação piora, pois o seu estado leva a que muitas mães, na maior inocência, partilhem com ela as suas experiências que nem sempre são as mais favoráveis. Tudo isto ajuda a intensificar um cenário de ansiedade e a mente da grávida vai ficando cada vez mais cheia de inputs negativos. Quanto mais vai avançando a gravidez, mais essas crenças e ideias vão intensificando o seu medo e mais nervosa ela se sente e até as grávidas mais descontraídas começam a ficar ansiosas quando se aproxima o final do tempo. 

Mulher tensa = colo tenso – Mulher em relaxamento = colo dilatável

Tal como foi demonstrado pelo obstetra inglês Grantly Dick-Read, o primeiro a debruçar-se sobre este tema, o tempo e as dores do parto aumentam pelo medo e tensão da mãe. Segundo ele, a tensão e o medo criam uma situação que é interpretada como sendo de perigo. Não podendo fugir, origina uma tensão protetora que dificulta a coordenação da contração muscular e a produção da Ocitocina, a hormona responsável pelo nascimento. A dor aumenta a tensão e assim se cria um ciclo vicioso: Medo – Tensão – Dor. 

Quanto mais medo tem, mais tensa fica a mulher e mais dor sente. Quanto mais dor sente, mais medo tem e assim se instala o ciclo. 

Ao explicar o mecanismo nervoso pelo qual o medo causa a dor da contração uterina, Read sintetizou seu conceito como “Mulher tensa = colo tenso – Mulher em relaxamento = colo dilatável”. O obstetra publicou no seu trabalho “Childbirth without Fear” que a confiança, compreensão e ausência de medo são fatores essenciais para um parto confortável. Este livro serve de base para o Hypnobirthing, que foi posteriormente desenvolvido para preparar as grávidas para um nascimento tranquilo, sem medos ou ansiedade. Através de sessões de relaxamento profundo, a mulher aprende a confiar no processo natural do nascimento e prepara-se para saber colaborar com o seu corpo e com o seu bebé. 

Técnicas que incluem visualização e afirmações positivas em relaxamento profundo ajudam-na a estar calma durante o período de nascimento. Resumidamente, a futura mãe começa, desde cedo, a preparar-se para permitir que seu corpo sábio faça o que sabe para dar à luz em harmonia e sem medos.

Basicamente, o Hypnobirthing utiliza um estado de relaxamento profundo para “reprogramar” a mente da mãe. Ajuda-a a confiar no seu corpo maravilhoso que foi concebido para dar à luz em total segurança. Como o de qualquer mamífero, o corpo da mulher está completamente preparado para esse efeito, basta deixá-lo trabalhar num entorno favorável e com tranquilidade. 

Em termos práticos, como se processa?

Existem várias formas de trabalhar. No meu caso, sou hipnoterapeuta, com formação em Hypnobirthing, e faço workshops e sessões individuais. 

Os workshops servem de introdução ao Hypnobirthing e são, normalmente, complementados por sessões presenciais ou online. 

Dentro das sessões presenciais, o serviço mais procurado é o “Programa Completo de Hypnobirthing” que é composto por 4 sessões+ 1 sessão de oferta para o parceiro de nascimento.  

Nestas sessões trabalho com uma abordagem única com cada paciente Não posso ter uma atuação com uma mãe com grau de ansiedade 5/10 igual à que tenho com uma mãe com grau de ansiedade 9/10. Cada pessoa é diferente da outra, umas são mães de primeira viagem e outras já trazem experiências de nascimento anteriores. Tudo isto deve ser tido em conta no trabalho com a grávida e, por isso, a primeira sessão requer uma conversa prévia na qual todo o processo é explicado e todos estes pontos são debatidos. Esta sessão demora cerca de 2h30 e só depois da conversa inicial é que começamos o trabalho de relaxamento hipnótico, adaptado a cada situação. 

A situação ideal é fazer uma sessão logo no início da gravidez para dissociar a recém-grávida da programação inconsciente do parto doloroso que persiste na sociedade moderna. A conversa inicial é, normalmente, em conjunto com o companheiro de nascimento para que o casal entenda o conceito e comece a trabalhar. Depois de aferir o estado da mãe, segue-se o trabalho de hipnoterapia para remover crenças limitantes, dissociar programação inconsciente e bloquear medos e inputs negativos que irá receber ao longo da sua gravidez.

Esta primeira sessão é muito importante para “reprogramar” a mente da mãe com conhecimentos, pensamentos e sentimentos positivos sobre a gravidez e o nascimento. Logo desde a primeira sessão, a gravida leva material de auto-hipnose para trabalhar em casa. 

Alguns parceiros de nascimento fazem também uma sessão presencial se assim o entenderem, pois muitos têm tanto ou mais medo do que a própria mãe, o que é perfeitamente natural. É uma sessão que ofereço em todos os programas de acompanhamento que faço porque é fundamental o papel do pai ou acompanhante, sendo mesmo um dos principais fatores de sucesso do método. A maioria dos parceiros já tem consciência da importância do seu papel no momento do nascimento e trabalhamos em conjunto para que estejam preparados para qualquer circunstância. 

O processo de Hypnobirthing não termina no final da sessão e é imprescindível dar continuidade com exercícios de auto-hipnose para que a mãe aprenda a trabalhar com a parte mais poderosa do seu corpo: a sua mente maravilhosa. 

A mãe deve fazer o seu “trabalho de casa” regularmente porque o sugestionamento precisa de ser reforçado com regularidade. Após a primeira sessão, a mãe vai fazendo os seus exercícios e volta pelas 30/32 semanas para uma nova sessão, continuando com novos “trabalhos de casa”. Finalmente, entre as 34 e 40 semanas, o ideal é fazer mais uma ou duas sessões totalmente direcionadas para o nascimento, sempre continuando a fazer os exercícios em casa.

Esta é a situação ideal, mas, por vezes, as grávidas já estão no fim do tempo quando descobrem ou se decidem a fazer Hypnobirthing. Nesse caso, adapto uma sessão única à realidade de cada uma, o que por si só já ajuda muito, mas sempre complementada com um passo a passo e exercícios de treino para realizar até ao nascimento. 

Um trabalho conjunto e complementar 

É muito importante esclarecer que o Hypnobirthing é um método com resultados fantásticos mas que implica trabalho e dedicação. 

Algumas mamãs esperam um milagre com uma única sessão, mas este não é um método milagroso. Desenganem-se as que acham que irão “ficar a dormir” enquanto a sua mente é reprogramada como que por magia. 

Não é nada assim… 

O Hypnobirthing usa a hipnose Ericksoniana, uma hipnose conversacional na qual a pessoa está profundamente relaxada e altamente focada. Neste estado de relaxamento profundo, muito parecido com uma meditação, a mãe ouve, responde e participa em todo o processo, construindo as ferramentas que a ajudarão durante a gravidez e no nascimento.

Quem procura o Hypnobirthing para ter um parto totalmente indolor poderá sentir-se frustrado e é importante esclarecer este ponto. Há mesmo quem acredite que o Hypnobirthing é uma forma de “não ter dor nenhuma sem recorrer à epidural”. 

Também não é bem assim…

Sabemos que o tempo e as dores aumentam pelo medo e tensão da mãe. O Hypnobirthing trabalha essa componente emocional para que fique completamente relaxada e tranquila, evitando qualquer tensão que possa prejudicar o trabalho de nascimento. Por si só, é um processo que reduz drasticamente as probabilidades de dor, mas seria incorreto prometer um nascimento sem absolutamente nenhum tipo de incómodo. Este é um processo de transformação do corpo da mulher que provoca sensações desconhecidas que podem trazer algum desconforto associado. No entanto, relembro que a conexão que o Hypnobirthing promove entre a mãe e o seu bebé ajuda muito neste processo e torna a experiência bem mais poderosa e agradável.

É importante esclarecer que o Hypnobirthing não substitui qualquer outro acompanhamento de saúde materna. Cada interveniente tem o seu papel na aprendizagem e preparação da grávida e o Hypnobirthing é um trabalho complementar a todos os outros. No Algarve, por exemplo, trabalho em parceria com o centro de preparação para o parto Pronto a Nascer, em Portimão, para que as mães cheguem ao nascimento emocionalmente preparadas através do Hypnobirthing. Neste processo, cada um tem o seu papel. Durante os cursos de preparação para o nascimento, a Carla Duarte, enfermeira parteira especialista em saúde materna, trabalha a sua área e eu asseguro o Hypnobirthing. A minha função complementa-se com a experiência de uma profissional de saúde materna, ficando a meu cargo o trabalho emocional com a grávida. É uma parceria recente e um bom exemplo de como complementar valências e saberes tão diferentes para otimizar resultados. Os profissionais de saúde que fazem partos sabem que não se compara a experiência de uma mãe com medo com a de uma mãe tranquila. Foi esta compreensão que levou à realização da parceria para facilitar todo o percurso da grávida e promover um nascimento mais tranquilo. Gostaria inclusive de replicar a fórmula com mais um ou dois centros em Lisboa pois os resultados são benéficos para todos, principalmente para as mães. 

Em estreita colaboração, cada profissional atua na sua área de intervenção e estamos, inclusive, a desenvolver conteúdos para estender a parceria para o pós-nascimento, que é uma fase importantíssima na vida de toda a família. 

Acredito firmemente que, quando nasce um bebé, nasce uma nova mãe família e este período requer toda a dedicação e acompanhamento. Na minha opinião, em Portugal, ainda não há a tradição de cuidar da nova mãe que acabou de dar à luz como existe noutras culturas onde é honrada, nutrida e acarinhada. É um período de recolhimento para recuperar física e energeticamente e, só após a completa recuperação, volta aos seus afazeres habituais. São tradições diferentes da nossa e com as quais me identifico. 

Atualmente, há uma pressão social muito grande sobre as mães para que tratem do bebé, recuperem fisicamente e voltem rapidamente à “vida normal”. Esta recuperação acelerada deixa muitas vezes marcas emocionais que se manifestam mais tarde. A meu ver, é urgente alterar este comportamento e importante prevenir e tratar algum desajuste emocional resultante deste período, para evitar repercussões na vida da mãe e da família. É um trabalho que estou a desenvolver, direcionado para o acompanhamento das novas mães no período de pós-nascimento. 

Um nascimento consciente e inesquecível

O Hypnobirthing trabalha também outra vertente muito importante e pouco falada: ajuda a mãe a recuperar o seu poder pessoal num nascimento humanizado.

Há mães que se apresentam com um grau de ansiedade aparentemente baixo e, com o decorrer da conversa inicial, verifica-se que existe um medo não assumido. Quando exploro a razão, normalmente prende-se com um certo incómodo ou até alguma vergonha de sentir esse medo. Encontramos aqui outra crença, a de que a grávida tem de estar disposta a sofrer muito pelo seu bebé. É quase como se houvesse uma relação direta entre o grau de sofrimento da mãe e o grau de amor que tem pelo filho. 

Por exemplo, há mães que passaram por bastante desconforto físico para ter o seu primeiro filho de parto natural e estão profundamente orgulhosas de o ter tido desta forma, sem recorrer a ajuda química. Apesar de expressões como “Doeu muito, mas já nem me lembro porque valeu a pena” ou o velho provérbio “Dor parida é dor esquecida”, que reforçam um suposto esquecimento do sofrimento, muitas destas mulheres estão, obviamente, apavoradas com o que as espera no segundo filho. Vivem sentimentos contraditórios porque não querem passar pelo mesmo, mas também têm algum pudor ou vergonha de pedir ajuda. Nestes casos, trabalham-se os medos e ansiedades naturais do parto, mas também o “empoderamento” da mulher. É fundamental que ela possa tomar as suas decisões, de acordo com a sua sabedoria interna, sem se preocupar com opiniões de terceiros. A sua intuição, juntamente com o seu corpo sábio saberão o que decidir se ela não estiver limitada por ideias pré-concebidas, desconhecimento ou medo de julgamentos. Ao longo das sessões, entende que o processo de dar à luz é perfeitamente natural e não tem de ter experiência de dor associada. Tendo esse conhecimento, ela resgata o seu poder de decisão e escolhe o melhor. 

Um parto não é uma demonstração de capacidade de sofrimento mas sim uma experiência tranquila e de total plenitude. É um nascimento informado, sem obrigações e sem medos. Se a grávida achar que deve mudar de ideias e aceitar alguma ajuda que não tinha previsto, é uma decisão que tomará em consciência, sabendo o que é melhor para ela e para o seu bebé. 

Por exemplo, há mães que se preparam para um nascimento natural e, em determinada altura, mudam de ideias porque percebem que precisam de ajuda farmacológica. Fazem-no em consciência, escolhendo o melhor para elas e para o bebé. Em contrapartida, há o exemplo oposto, as mães que se preparavam para recorrer a ajuda química e ficaram agradavelmente surpreendidas com a facilidade e naturalidade com que decorreu o nascimento sem qualquer necessidade de ajuda. 

É este poder que a mulher recupera no Hypnobirthing, a confiança em seguir os seus instintos e sabedoria interna, totalmente em paz consigo própria, sem questionar a sua capacidade inata de dar á luz.

Nascimento cada vez mais humanizado 

Outro esclarecimento importante: o Hypnobirthing está muitas vezes associado ao parto natural ou a nascimentos em casa, o que não é verdade. Uma das premissas do método é preparar a mãe e companheiro para qualquer tipo de nascimento, seja ele no hospital ou em casa, na água ou na cama, natural com ou sem ajuda analgésica, com ou sem intervenção cirúrgica… 

O importante é que seja um nascimento humanizado onde a mulher é respeitada, sem intervenções desnecessárias e não consentidas. 

Esta é inclusive uma recomendação da Organização Mundial da Saúde que reconhece que cada trabalho de parto é único e varia de uma mulher para outra. Na nova recomendação sobre nascimentos e partos, emitida no dia 15 de fevereiro de 2018, a OMS vem pôr em causa orientações que foram adotadas durante décadas. O novo documento inclui o direito a ter um acompanhante à sua escolha durante o trabalho de parto e o respeito pelas opções e tomada de decisão da mulher na gestão da sua dor e nas posições escolhidas e ainda o respeito pelo seu desejo de um parto totalmente natural, até na fase de expulsão. A própria OMS reconhece que “muitas mulheres preferem um nascimento natural e confiam nos seus corpos para dar à luz o seu bebé sem intervenção médica desnecessária.” 

Felizmente, o cenário está a mudar e a caminhar para nascimentos cada vez mais menos medicalizados e mais humanizados.

Cada pessoa é única, cada caso é único e o importante é que todas as mulheres e companheiros, sem exceção, tenham uma experiência de nascimento humanizada, bela e de total plenitude. Este é um momento único e mágico com um universo inteiro de sentimentos e emoções que ficarão para sempre na memória da família.